Gordura no Fígado: tudo que você precisa saber

O fígado é a maior glândula do nosso corpo. Ele é responsável por cerca de 500 funções. E nos últimos anos, ingerimos ainda mais gordura. E a Esteatose Hepática acontece principalmente por uma predisposição genética de certas pessoas a acumular Gordura Visceral no abdômen, sobrecarregando o fígado. Todavia também existem alguns fatores externos que aumentam a probabilidade de desenvolver Esteatose hepática, que pode evoluir para um Esteato Hepatite ou até câncer de fígado. Por isso é tão importante ter hábitos saudáveis para prevenir essas doenças.

O que é a esteatose hepática?

Gordura no fígado ou Esteatose Hepática nada mais que é um acumulo de gordura nas células do fígado. E esse acúmulo é dividido em dois tipos: doenças gordurosa alcoólica do fígado e doença gordurosa não alcoólica do fígado. Então como você deve imaginar, enquanto o primeiro acontece devido ao consumo excessivo de álcool, o segundo ocorre devido outros fatores como predestinação genética, mau hábitos alimentares, entre outros que irei decorrer adiante.

No entanto, a Esteatose Hepática só ocorre quando mais de 5% do peso total do fígado é composto por gordura visceral. E essa gordura é a responsável por provocar inflamações e fibroses, fazendo com o que o risco de desenvolver câncer de fígado ou insuficiência hepática aumente. A saber, estima-se que pessoas com gordura no fígado têm uma maior probabilidade de desenvolver diabetes tipo 2. Similarmente, pessoas com diabetes tipo 2 têm 70% mais chance de desenvolver esteatose hepática.

Causas da Esteatose Hepática Não Alcoólica

Existe uma taxa de gordura que é aceitável existir no fígado. Porem é quando ingerimos mais gordura do que o corpo consegue metabolizar que surge o problema. E então, esse excesso não metabolizado se acumula nas células hepáticas do fígado, acarretando assim a Esteatose Hepática

Como disse anteriormente não é só o consumo excessivo de álcool e predisposição genética que podem causar a doença. Diversos outros fatores são responsáveis pelo acumulo de gorduras viscerais no fígado. Como problemas relacionados à hipertensão, diabetes, colesterol, pressão e triglicérides altos. Além disso, complicações na tireoide, sedentarismo e má alimentação, também aumentam o risco de desenvolver Esteatose Hepática. No entanto o sobrepeso é hoje a maior causa da doença. Cerca de 60% de quem sofre com gordura no fígado estão acima do peso.

Graus de esteatose hepática

gordura no fígado

Grau 1 (Leve)

Quando está no começo, a doença não costuma apresentar sintomas. Uma vez que os níveis de gordura só estão um pouco acima do ideal. E é por isso, que deve ser diagnosticada rápido, pois no primeiro estágio é mais fácil controlar o nível de gordura.

Grau 2 (Moderado)

Nesse estágio é possível já é possível notar a presença de alguns sintomas. Como por exemplo o inchaço da barriga, dores abdominais e fezes esbranquiçadas. Quando a causa do acúmulo for por conta do álcool, o tratamento já se torna um pouco mais complicado. Porém, quando é uma esteatose hepática não alcoólica ainda é possível fazer a reversão.

Grau 3 (Grande Acúmulo)

Nesse estágio a gordura do fígado começa a provocar inflamações crônicas. Assim a Esteatose Hepática evolui para uma Esteato Hepatite. Essas inflamações começam a causar danos nas células do fígado, que com o tempo podem causar fibroses e diminuir a eficácia do órgão.

Se não for tratada, com o tempo as fibroses podem evoluir para uma cirrose, o que torna o fígado não eficiente. Além disso, a cirrose pode resultar no falta de filtragem do sangue pelo fígado. É neste estágio que a doença se torna muito perigosa e é necessário procurar tratamento urgentemente.

Diagnóstico

O fígado gorduroso na maioria das vezes é encontrado através de exames laboratoriais ou ultrassons. Todavia, quando os sintomas já apareceram, o médico precisa realizar um diagnóstico diferente, uma vez que outras doenças também podem ter sintomas semelhantes.

Exame Físico

Após recolher dados históricos do paciente e queixas, o  médico realiza exame físico é realizado para procurar sintomas. Como por exemplo, sentir o fígado um pouco maior e diferenças na sua textura.

Exame de sangue

Mesmo não sendo totalmente preciso, exames laboratoriais ajudam a mostrar alterações na corrente sanguínea. Os exames realizados medem os níveis de TGO, TGP e Gama GT.

Exames de imagem

Esses são os exames ideias para identificar mudanças de tamnho e textura do fígado. Todavia, pode ser necessário fazer outros tipos de exames para um diagnóstico mais preciso. Ultrassonografia, Ressonância Magnética e tomografia computadorizada são os mais uteis para encontrar as alterações.

Sintomas de gordura no fígado

A gordura no figado é assintomática. Os sintomas só aparecem quando a gordura começa a causar inflamações crônicas. Isso acontece quando a Esteatose Hepática evolui para a Esteato-. Em um primeiro momento a doença ocasiona certo cansaço, fraqueza, perda de apetite e aumento abdominal. Mas quando a doença está mais avançada sintomas como ascite, insuficiência hepática, aranhas vaculares, fezes sem cor, confusão mental, tremores, entre outros sintomas, como:

  • Fibrose: quando existe tecido de cicatriz no fígado, ele deixa de ser liso e maleável, perdendo assim parte da sua função
  • Icterícia: por estar inflamado o fígado não consegue processar a bilirrubina (pigmento produzido pelo corpo). Assim, ela se acumula no sangue e deixa a pele branca e os olhos amarelados.
  • Hemorragias: O fígado inflamado pode causar sangramentos internos. E por causa da inflamação, fica muito difícil de se perceber. Assim, esses pequenos sangramentos podem evoluir e se tornar hemorragias.

Gordura no fígado tem cura?

Na maioria das vezes, o tratamento para gordura no fígado deve ser feito através  de mudanças de hábitos. Como procurar um exercício físico, dieta balanceada, diminuir ou eliminar o consumo de álcool. Com essas mudanças é possível controlar o risco de diabetes, hipertensão, colesterol alto e sobrepeso, principais causas da Esteatose Hepática. Não existe remédio para  gordura no fígado, porém pode ser recomendado tomar vacinas contra hepatite B, pois ela previnem o aparecimento de outras doenças no fígado. Seguindo o tratamento de forma correta, é possível reverter o quadro de Esteatose Hepática.

Dicas para prevenir a Esteatose Hepática

Algumas medidas podem ser tomadas para evitar que se acumule gordura no fígado. Como por exemplo:

  • Ficar de olho na circunferência abdominal
  • Beber bastante água
  • Dormir bem
  • Manter-se com um peso saudável
  • Controlar os níveis de TGO, TGP e Gama GT
  • Ter uma alimentação saudável.

Fonte: www.minhavida.com.br

 

 

Gostou? Compartilhe com seus amigos!